METZI

A pantone de sabores mexicanos aqui em São Paulo sempre foi pastel – com exceção de Dona Lourdes Hernández, da antiga Casa Dos Cariris, onde comi uma só vez. Quando não é pastel, é aquele alaranjado Clicquot, que colore o diesel que chamam de cheddar nas franquias tex-mex. No, Señor! Gracias.

Daí eu fui ao Metzi, o pico mexicano de comida meio Cosme NYC de Pinheiros (parece que o pessoal trabalhou lá mesmo). E é bom. Sólido. Tá tudo lá. É bom sim. Bem gostoso. Nota 8 da Kogut.

Digo isso repetidamente porque um lugar não precisa ser espetacular para ser bom. E, se o preço é condizente (como é no caso do Metzi, em que se pagam justos 180 reais por um menu degustação que envolve matéria prima cara e bem trabalhada), vale a pena. O salpicão de peixe e polvo, ele sim, é mais que bom, bem mais – e é estranho, funky, intenso, adulto… delicioso. O “camarão, chorizo, huatape e mojo de ajo” também é bem acima da média. O mole verde com brócolis e castanha (uma óbvia importação do Cosme) é direito, como é também o guacamole: gostoso, mas padrão, na média… tipo “Pegaria? Ah, pegaria”. A barbacoa de cordeiro também é saborosa (mais que o caldo dela). Os molhos de pimenta são blasés e esquecíveis – dá para botar uma colher de chá e passar despercebido. Os pratos são lindos, o esquema permite compartilhar, a mesa vai bem. As sobremesas, eu passo.

No que não diz respeito à comida, o Metzi é mediano: as cadeiras são marromeno, o ambiente é quente (26ºC confirmados graças ao medidor de temperatura e umidade do Alex), a música é meio alta e, por vezes, chatinha, um coquetel pode ser bem gostoso (Paloma) e, em seguida, outro pode ser bem doce (Tequilita). Há poucos vinhos, todos de uma só importadora, Uva Vinhos, como eles fazem questão de informar (sabe Deus por quê). O ritmo dos pratos também é estranhamente super rápido. Termina de comer um, chega outro e outro… Está tudo um passo antes do incômodo. Não é, mas é quase. Já o serviço é ágil, discreto e simpático, a mesa está sempre limpa, a garçonete tem senso de humor.

O Metzi é bem vindo. Come-se bem. Mas me venderam como se, nossa, alguém tivesse trazido Oaxaca na mala – ouvi gente que preferiu o Metzi ao Cosme (não duvido e o hype é parecido). A sensação é como a que tive com “Parasita”, que é um filme divertido, bem feito, bem atuado e com bons momentos. Ele nada sozinho numa piscina com 8 raias, portanto é ouro na categoria. Mas não justifica essa gritaria toda.

Instagram: @metzirestaurant

Rua João Moura, 861, Pinheiros

PINHEIROS & SAUDADE

Eu moro em Pinheiros há mais de uma década e testemunhei parte da transformação do bairro: o desaparecimento dos tios que consertavam TV de tubo e controle remoto, a demolição de bancas de jornais, o levante de novos prédios, todos bem feios e com nomes tipo “Spazzio 743”, “Studio Villa Pinheiros”, “Mourato View”. Eu vi a chegada do Coffee Lab, do Guarita, dos novos restaurantes veganos, das lojas de discos e galerias de arte, da Cacau Show, da Carlo’s Bakery. Foi tudo muito rápido. No princípio, era uma população mais velha, vizinhos que patrulhavam sua vida, aí chegou uma leva hipsterizada e blasé, que logo foi substituída por almofadinhas e novos milionários, ou herdeiros deles. Não precisa nem levantar a cabeça, dá para notar a mudança só pelas raças de cachorro que hoje circulam pelo bairro. 

Mas não sou exatamente dos que lamentam o que chamam de gourmetização, hipsterização, gentrificação, ou qualquer rancorzinho disfarçado de purismo. O pessoal que fica choramingando “o fim dos bairros em sua essência” nunca vai ao mercadinho da tia coreana e pede até serviço de chaveiro pelo Rappi. Boa parte desses estabelecimentos que fecharam, aliás, nem eram exatamente muito bons – eram só parte da memória já pálida de quem os reclama, mas não os frequentava há anos. Outra parte não sobrevive porque já não há mais tanta gente que goste de locar fitas VHS, DVDs, revelar fotos ou usar relógios (que dirá consertá-los). Eu aceito, porque dói muito menos. As cidades e os bairros, ao contrário de nós, não tendem a envelhecer, mas a modernizar. Resta-nos acompanhar e, em caso de incômodo, o ditado clássico é serventia da casa, porque piranha também ama, piranha também chora, mas piranha não sofre se você vai embora. (VITTAR, Pabllo. 2021)

Imagina se a Isabela Raposeiras tivesse que esperar o choro do pessoal secar para melhorar o cenário de café, não só do bairro, da cidade inteira? Imagina se o Chou ponderasse que, para trazer sua excelente comida ao bairro, teria que ocupar um imóvel que já fora de um senhorzinho que vendia uns doces ordinários? Não, obrigado.

O pessoal só sente saudade de brincar na rua, mas brincar que é bom mesmo, nada… Quer a manutenção dos lugares truezões? Frequente e gaste seu dinheiro neles, porque em algum momento eles irão à falência, ou se mudarão de bairro – assim como acontece com lugares menos truezões. Quem ama cuida. Terceirização da culpa que chama, né?

Full Lanchonete

Na Rua Fradique Coutinho 601, aqui do ladinho de casa, ficava o Bar Do Seu Nenê (o nome oficial mesmo era Full Lanchonete, vai entender). Sim, ficava. Seu Nenê foi mais um bar tradicional vitimado pela pandemia. Abria todos os dias às 04:00 da manhã e seguia direto até a noite, servia boas esfihas de boteco, era tocado por dois senhores fofos, o típico lugar fácil de sentir saudade. Mas, tirando as esfihas, a comida era meia-sola e não era raro estar muito salgada. Não se engane, o Bar Do Seu Nenê já vinha às moscas há um bom tempo, era frequentado apenas por alguns senhores do bairro, uns bêbados, pedreiros em busca de porções generosas, e o Mohamad Hindi, que ia lá de madrugada. Eu ia bem de vez em quando, mas não era assim, um boteco genial.

Na Rua Fradique Coutinho 527, na mesma quadra do Seu Nenê, ficava a Doce & Cia. Sim, ficava. Era mais conhecida como ‘japonês da fradique’, servia a melhor coxinha do bairro, tinha ótimo quindim e delicioso sanduíche de porco no missô com gengibre. Mas a Doce & Cia não faliu. Chegou à minha atenção que algum cliente publicitário (óbvio) e aventureiro convenceu o japonês de que era preciso um nome mais chamativo, que representasse o local, e agora o rolê se chama “Do Jorge”. O nome, apesar de perder a delícia irônica pela qual a gente amava o anterior, tudo bem. Mas se liga no novo logo, que mais parece uma capa de trabalho infantil: 

Por sorte, a coxinha, o croquete, o sanduíche, os doces & cia continuam lá, porque ao contrário do Seu Nenê, o lugar lota que é uma beleza. No frio, enche de USPster tomando sopa de mandioquinha; de dia, o PF é concorrido entre as secretárias de consultórios e alguns senhores da vizinhança; e os salgados vendem muito, o dia todo, por isso estão sempre quentinhos. A novidade é que o “Do Jorge” agora vai abrir outra unidade. Onde? Lá mesmo, no número 601 da mesma rua, onde antes ficava o Bar Do Seu Nenê.

É uma pena, jamais comemoraria o fechamento de um negócio familiar, mas o devir dos bairros é muito natural – acontece aqui e na Liberdade, a Barra Funda tá na mira, dizem que num passado distante até o Itaim Bibi já foi um lugar habitável. Também não comemoro a chegada de estabelecimentos intitulados La Sacaderia, Mule Mule Muleria, Jamp Burger, Hi Pokee. Mas para cada um desses, eu também vi chegarem um Boca De Ouro, um Santana Bar, um Chou, Cais, Hirá, Izakaya Matsu, Sede 261, Coffee Lab, Bráz Elettrica, Le Jazz, Marilia Zylbersztajn, a lista de boas vindas é enorme e um dia, espero, eles serão parte do cenário tradicional do bairro, classicões estabelecidos há décadas. Mas, convenhamos, chegaram no melhor estilo invasor e gourmetizador. Sim, obrigado.

A nossa memória afetiva das portinhas queridas diz mais sobre nós do que sobre as próprias portinhas. Muitas vezes, é por exclusivismo, como quem diz “pobre de você, que não provou aquela iguaria, agora é tarde”. E talvez seja bom assim, que a gente se lembre dos lugares como algo muito melhor do que de fato eram. Meu amigo John Freeman traduziu lindamente o sentimento para o inglês, em seu poema Saudade

“Here, again, grief fashioned in its cruelest translation: my imagined you is all I have left of you.” 
(“Aqui, novamente, a dor moldada em sua tradução mais cruel: meu você imaginado é tudo o que me resta de você.”)